Projeto Educativo


O Externato Nossa Senhora do Rosário, como Escola Salesiana das Filhas de Maria Auxiliadora, tem como missão educar segundo o Sistema Preventivo de Dom Bosco, potenciando um ambiente que favoreça a educação integral numa síntese entre fé, cultura e vida em corresponsabilidade educativa, onde as crianças/os alunos são protagonistas da própria formação. Valoriza-se o rigor científico e pedagógico, a par dos momentos celebrativos, litúrgicos e de festa , que são expressão efetiva da educação salesiana.

Introdução

O Projeto Educativo (PE) do Externato Nossa Senhora do Rosário é um instrumento de orientação educativa de caráter programático e institucional que legitima os processos de tomada de decisão, conferindo coerência e unidade às atividades educativas desenvolvidas na Educação Pré-escolar e no 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico.

A Comunidade Educativa é constituída pela Comunidade Religiosa, Filhas de Maria Auxiliadora, pelas educadoras e educadores, pelos jovens, pelos pais/encarregados de educação que, a vários níveis, partilham da missão comum, através de funções diversificadas e complementares.

Como escola católica, salesiana, tem por base os princípios da pedagogia salesiana que caracterizam todas as Escolas do Centro Educativo Nossa Senhora de Fátima (CENSF), pertencente ao Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora. A pedagogia salesiana visa orientar os jovens a optar pelo bem e a gerir a própria riqueza afetiva para o dom de si mesmos, acompanhando-os no sentido do encontro transformador com Deus, em Jesus Cristo.

A elaboração do PE foi conduzida por uma Equipa sob responsabilidade do Conselho Pedagógico e da Direção.

IDENTIDADE DO EXTERNATO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

Escola Salesiana- Filhas de Maria Auxiliadora (FMA)

O Instituto Filhas de Maria Auxiliadora é uma instituição religiosa feminina fundada por São João Bosco e por Santa Maria Domingas Mazzarello, sendo ela a primeira Madre Superiora das Filhas de Maria Auxiliadora. A primeira comunidade surgiu em Mornese, próximo de Turim, em 1872, e atualmente o Instituto tem sede em Roma.

A decisão de Dom[1]  Bosco de fundar uma instituição em favor das jovens deveu-se essencialmente à profundidade do seu amor a Nossa Senhora, à sua intuição de dar resposta à necessidade de educação das raparigas, aos factos extraordinários[2] (cf. Cron I, 314-315; cf. MB X, 596-597; cf. Don Bosco ti hasognato, Volume 1, 22-23) contados pelo próprio e ao encorajamento do Papa Pio IX[3]  para a fundação do Instituto. Dom Bosco quis chamá-lo Filhas de Maria Auxiliadora para que fosse um “Monumento vivo” da sua gratidão a Nossa Senhora Auxiliadora.

Desde o longínquo 5 de agosto de 1872, o Instituto Filhas de Maria Auxiliadora foi crescendo e hoje exerce a sua ação educativa nos cinco continentes, formando 76 Províncias[4]  em 94 nações, com um total de 1388 comunidades locais.

Na Europa há cerca de 5300 Filhas de Maria Auxiliadora, também conhecidas por Irmãs Salesianas. Trabalham em 432 comunidades em 22 países, com presenças educativas diversas.

Em Portugal, o Instituto Filhas de Maria Auxiliadora iniciou a sua missão educativa em 1940, na cidade de Évora.

Atualmente, a Província Portuguesa Nossa Senhora de Fátima tem aproximadamente 120 Irmãs, distribuídas por 12 comunidades em 9 distritos: Viana do Castelo, Porto, Guarda, Castelo Branco, Lisboa, Setúbal, Évora e Faro.

No distrito de Lisboa, do Centro Educativo Nossa Senhora de Fátima, no Concelho de Cascais, fazem parte cinco comunidades – a Casa Provincial, o Externato Nossa Senhora da Assunção, o Externato Nossa Senhora do Rosário, a Ludoteca da Galiza e a Casa São José.

[1]O termo Dom provém do italiano e é utilizado sempre que se refere a padre.

[2] Em diante Conistoriadell’Istitutodelle FMA e Memorie Biografichedidon Bosco Giovanni serão designados abreviadamente por Cron e MB, seguidos pela referência do respetivo volume. Por exatidão histórica refira-se que inicialmente Dom Bosco não pensava fundar um ramo feminino. Fê-lo depois de vários factos extraordinários, de um modo particular no sonho narrado a 6 julho de 1862. (Cf. Don Bosco ti hasognato, Volume 1, Elledici, Torino, 1997, 22-23).

[3] Pio IX (1792-1878) apoiou e encaminhou Dom Bosco na fundação da Congregação Salesiana. Convenceu-o a escrever as Memórias Biográficas para deixar em herança espiritual aos Salesianos. Durante o seu pontificado aprovou as Constituições e a Sociedade Salesiana, o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e a Pia União dos Cooperadores Salesianos.

[4]Uma Província é constituída por um conjunto de comunidades locais numa determinada região.

História do Externato Nossa Senhora do Rosário

O Externato Nossa Senhora do Rosário (ENSR)– sito na Avenida Nossa Senhora do Rosário– é uma escola católica, salesiana, privada, que surgiu em 1974, com a valência da Pré-escolar. O nome do Externato derivou do nome do Bairro onde se insere – Bairro do Rosário, dedicado a Nossa Senhora, sob este título tão significativo para o povo português.

Nos anos 80, em resposta à comunidade do Bairro do Rosário e ao aumento da população da referida zona, para além da valência da Pré-escolar, houve também a necessidade de abertura de uma Escola para o Ensino Básico- a primeira da área de localização do ENSR. Assim, em 1981 deu-se início à construção da primeira fase de um novo edifício. Num crescendo considerável, designadamente pelo impacto positivo desta resposta educativa, no ano seguinte, já se concretizava a abertura oficial e solene da casa, a 7 de outubro, que desde este dia passou a ter uma comunidade religiosa que nela reside. Esta expansão tem continuidade nos anos seguintes, com a construção da Capela, do Polidesportivo e do Salão de Festas, sabendo-se que o edifício que hoje conhecemos teve a sua conclusão já nos anos 90, com as devidas remodelações e ampliações recentes. O crescimento do ENSR despoletou a urbanização da zona contígua ao mesmo e o aparecimento de outros serviços privados e públicos que contribuíram para o bem-estar da população residente.

Em termos históricos, ressalve-se que no ano de 1985 se inicia a lecionação do 2.º e 3.º ciclos, com 162 alunas, com atividades de tempos livres, verificando-se um crescendo do número de crianças na Pré-escolar.

Dois anos mais tarde, o 5.º ano passa a ter duas turmas e assim sucessivamente até 1991/92, em que todos os anos escolares estão duplicados. Nessa mesma data inicia-se o ensino misto e o uso do uniforme.

No ano letivo 1995/96, a Escola avança com a integração de mais uma turma em cada ano escolar, perfazendo três turmas por ano, situação que se mantém até à atualidade. Dado o número crescendo de alunos, no ano 2012, teve lugar uma nova ampliação, destacando-se na mesma a existência de um novo piso, com gabinete de Psicologia, uma sala de professores e um Centro de Recursos, como local de pesquisa e de estudo para os alunos.

A Escola continua a ser resposta à comunidade local, com um significativo raio de abrangência no Concelho, mantendo viva a presença de Igreja, nomeadamente com a celebração dominical da Eucaristia e Centro de Catequese da Paróquia de Cascais, animado pelas Irmãs Salesianas e outros catequistas.

Da história do ENSR fazem parte o seu brasão e o hino, ambos criados por alunos.

Brasao

O brasão do Externato Nossa Senhora do Rosário remonta ao início da Escola no Bairro do Rosário, em Cascais, e foi projetado e executado com a colaboração dos alunos que então a frequentavam.

Os motivos, as cores e as palavras falam-nos da realidade que se vive há mais de quarenta anos nesta presença educativa das FMA – Salesianas. Assim, o mar azul com o barco e o sol resplandecente são símbolos da vila de Cascais, onde a Escola se situa.

Estes elementos significativos e distintivos desta aprazível zona são também, numa leitura cristã e salesiana dos mesmos, alusão a:

Jesus – Sol que ilumina a vida do cristão,

Maria Auxiliadora – a vela que orienta a barca de todos os que se acolhem sob o seu manto, que pedem a sua ajuda no mar da vida.

Além do brasão, existe o hino, que visa dar letra à musicalidade vivida numa escola salesiana. Diz a letra o que é Cascais, quem e como são as crianças e os alunos do ENSR, com uma homenagem explícita aos fundadores Dom Bosco e Madre Mazzarello.

Coro:
É sol, é luz, é cor
É juventude a crescer
Para o futuro a cantar
Sempre unidos!
Caminhar

II
Entre os rochedos da costa brava
Ou nos baixios do mar secreto
Olhando o perigo, imploro assim:
Auxiliadora, vela por mim!

I
Somos presente, somos futuro
Aqui no Bairro, aqui no mundo
Somos trombeta, somos alerta
A anunciar: a rota é certa!

III
Olhar em frente com ousadia
Sem esquecer a nossa herança
É reviver D. Bosco Santo
E abrir caminhos à Esperança

Visão

O Externato Nossa Senhora do Rosário, como escola Católica- Salesiana de referência no Concelho de Cascais, há mais de quarenta anos, pretende continuar a formar bons cristãos e honestos cidadãos, capazes de serem protagonistas da sua vida e de darem o melhor de si mesmos, preparando–os no presente para o futuro, com competências essenciais à vida: espírito de interajuda e cooperação; fé; responsabilidade; integridade; resiliência e exigência.

Missão

Tal como está definido no Ideário, o Externato Nossa Senhora do Rosário é uma escola católica do CENSF. Fundamenta e centraliza a sua ação educativa na pessoa de Jesus Cristo. Apresenta-se como comunidade, lugar de encontro que permite à Comunidade Educativa testemunhar efetivamente os valores do Evangelho.

Atua em comunhão com a Igreja Católica, seguindo as suas orientações, para que o conhecimento seja iluminado pela fé de modo a que crianças e jovens se tornem fermento de uma nova humanidade.

Como Instituição Salesiana, assume características específicas que se inspiram no carisma e na herança deixados por São João Bosco e Santa Maria Mazzarello. Este carisma apresenta uma pedagogia educativa: o Sistema Preventivo[1] , síntese original entre educação e evangelização, assente nas componentes fundamentais «razão, religião e amabilidade» (cf. MB IV, 547),que orienta os jovens a serem “bons cristãos e honestos cidadãos” (cf. MB XIII, 618).

Numa visão cristã da vida, valoriza-se a abertura a Deus como fonte de verdadeira humanização da pessoa e da comunidade. Vive-se em ambiente de família e, por isso, é importante a presença educativa dos adultos entre os jovens, numa atitude de proximidade ena relação de acompanhamento no interior da Comunidade Educativa. Cultiva-se um clima de alegria expresso na “pedagogia da festa” que faz da criança e do jovem protagonistas da sua educação.

Tendo como perspetiva que as grandes metas do ensino na atualidade são: formar cidadãos críticos, dinâmicos, esclarecidos, proativos, capazes de se adaptarem ao mundo e às suas constantes mudanças, em todos os Centros Educativos e Escolas, a Comunidade Educativa procura ser uma presença viva do estilo salesiano de São João Bosco e de Santa Maria Domingas Mazzarello. A ação educativa traduz-se numa vivência em que a criatividade, a individualidade, a dimensão afetiva, o diálogo, a amizade e a alegria de viver favorecem o acolhimento e a valorização positiva da pessoa, acompanhando-a na construção de um projeto de vida mais humano e feliz.

A Escola empenha-se em projetos de solidariedade e de justiça social, mediante a partilha de bens com os mais desfavorecidos, a valorização do diálogo intercultural e a cidadania responsável e democrática.

Numa visão positiva do ser humano e no seu potencial de desenvolvimento, respeita-se os direitos e liberdades de cada pessoa, proporcionando experiências que contribuam para o seu crescimento.

[1]A fórmula Sistema Preventivo, interpretada com base nos documentos deixados por Dom Bosco, e sobretudo à luz da sua experiência educativa e da dos seus colaboradores, expressa tudo aquilo que ele disse e fez como educador. Cf. Prevenir, não reprimir. O Sistema Preventivo de Dom Bosco. PietroBraido, LAS, Roma, 1999.

Valores

Promovemos uma cultura aos valores, assente numa visão cristã da vida. Fé e vida; família; cidadania e solidariedade; integridade e honestidade e respeito e autonomia.

Perfil do Aluno

Um aluno do ENSR deve ser aberto aos valores humanos, cristãos e salesianos; desejar crescer na corresponsabilidade, respeito e partilha; ser capaz de se comprometer, de acordo com a idade, numa cidadania ativa e ter desejo de crescer nos seus conhecimentos, empenhando-se no processo de aprendizagem.

Perfil de Educador Docente e Não Docente

O Educador é uma pessoa comprometida com a missão e os valores do Externato Nossa Senhora do Rosário, sendo testemunho de fé, responsável, íntegro e colaborativo, que, em corresponsabilidade, está presente em todos os momentos, como agente educativo.

O Educador Docente procura, quotidianamente, aprofundar a riqueza do conhecimento e investir no rigor científico e na abertura ao diálogo. Valoriza a opinião do outro, como fundamento do trabalho colaborativo.

PRIORIDADES DE INTERVENÇÃO E LINHAS ESTRATÉGICAS

De acordo com o diagnóstico (análise SWOT) constante em documento interno da Escola, definiram-se prioridades de intervenção para o próximo triénio.

ÁREAS DE INTERVENÇÃO E LINHAS ESTRATÉGICAS

Prioridades de Intervenção Dimensões estratégicas

Objetivos

Estratégicos

Pedagógico-curricular Planeamento e Articulação Aumentar o número de atividades interdisciplinares nos conselhos de turma/ano, para articulação do currículo.
Pedagógico-Curricular Práticas de ensino Promover o trabalho em grupo disciplinar para implementação de práticas de ensino, simultaneamente, inovadoras e proporcionadoras de autonomia, espírito crítico e de um melhor ambiente educativo.
Pedagógico-Curricular Formação do corpo docente Promover formação aos docentes .
Pedagógica-Organizacional Cultura Relacional -Práticas de reflexão conjunta com os alunos Promover com maior periodicidade ações de diálogo entre os alunos e a Direção/docentes/não docentes.
Pedagógica-Organizacional Carisma Desenvolver estruturas de apoio social à comunidade educativa mais desfavorecida e ao meio envolvente.
Pedagógica-Organizacional Carisma

Desenvolver estratégias/atividades que potenciem a autonomia, a corresponsabilidade e  o espírito crítico.

 

Recursos Equipamento/Material Renovar/atualizar os meios tecnológicos disponíveis e outros.
Organizacional Identidade Aumentar as mensalidades, mantendo-as acessíveis ao estrato social médio.
Organizacional Identidade Manter o apoio financeiro do Ministério da Educação aos pais/encarregados de educação- Contrato Simples e Contrato de desenvolvimento.

CONCLUSÃO

No final de cada ano letivo é feita uma monitorização/avaliação do Projeto Educativo pela equipa do Conselho Pedagógico, de acordo com os critérios e os instrumentos de verificação definidos em Direção, com vista à melhoria contínua. Os resultados da avaliação são divulgados internamente em primeira instância e apresentados presencialmente aos pais/encarregados de educação no início de cada ano letivo.

Bibliografia / Enquadramento Normativo

Documentos legais

Decreto-Lei n.º 152/2013

Decreto-Lei n.º 55/2018

Decreto- Lei n.º 54/2018

 

Bibliografia

AAVV, Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa, Projetos Educativos para um modelo da sua elaboração, 2012.

AAVV, Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa, Projetos Educativos e Curricular: contributo para o desenvolvimento de um modelo integrado, 2018.

 

Bibliografia salesiana

Instituto Filhas de Maria Auxiliadora, Para que tenham vida e vida em abundância. Linhas Orientadoras da Missão Educativa das Filhas de Maria Auxiliadora (LOME), Roma, 2004.

Instituto Filhas de Maria Auxiliadora, Cronistoria dell’Istituto delle Figlie di Maria Ausiliatrice. Roma, 1974-1978, 5 volumes.

Memorie Biografiche di Don Giovanni Bosco. Giovanni Battista LEMOYNE voll. I-IX, Angelo AMADEI vol. X, Eugenio CERIA voll. XI-XIX, Indice anonimo dei voll. I-VIII e Indice dei voll. I-XIX a cura di Ernesto. XX volumes. Versão eletrónica, inhttp://www.sdb.org/pt/don-bosco/26-memorias-biograficas/98-memorie-biografiche-riservato

Associzione salesiana. Opera Sacro Cuore. Don Bosco ti ha sognato, Volume 1, Elledici, Torino, 1997.